10.4.12

Resenha: A linguagem das flores


Autora: Vanessa Diffenbaugh
Editora: Arqueiro
Páginas:294
Nota: 8
Sinopse: Victoria Jones sempre foi uma menina arredia, temperamental e carrancuda. Por causa de sua personalidade difícil, passou a vida sendo jogada de um abrigo para outro, de uma família para outra, até ser considerada inapta para adoção. Ainda criança, se apaixonou pelas flores e por suas mensagens secretas. Quem lhe ensinou tudo sobre o assunto foi Elizabeth, uma de suas mães adotivas, a única que a menina amou e com quem quis ficar... até pôr tudo a perder. Agora, aos 18 anos e emancipada, ela não tem para onde ir nem com quem contar. Sozinha, passa as noites numa praça pública, onde cultiva um pequeno jardim particular. Quando uma florista local lhe dá um emprego e descobre seu talento, a vida de Victoria parece prestes a entrar nos eixos. Mas então ela conhece um misterioso vendedor do mercado de flores e esse encontro a obriga a enfrentar os fantasmas que a assombram. Em seu livro de estreia, Vanessa Diffenbaugh cria uma heroína intensa e inesquecível. Misturando passado e presente num intricado quebra-cabeça, A linguagem das flores é essencialmente uma história de amor – entre mãe e filha, entre homem e mulher e, sobretudo, de amor-próprio. 




Delicado. O livro a linguagem das flores é delicado e lindo como seu próprio nome. Ele possui uma história diferente das que eu sou acostumada a ler, por isso posso ter lhe atribuído uma nota inferior a que ele merecia, já que foi tão bem escrito.
Em "A linguagem das flores" vemos a história de Victoria Jones, a incerta Victoria que nunca se achou boa o bastante. A Victoria nervosa, que não gostava do toque das pessoas e menos ainda das mesmas. A Victoria que vivia mudando de abrigos e lares por nunca ser aceita, justamente pelo seu jeito áspero de ser. Mal sabia Victoria que ela era sim uma boa pessoa, mas mesmo as boas pessoas não estão livres de passarem por provas na vida, e por isso ela tinha esse jeito tão peculiar de ser. Era uma barreira que ela mesma criava para não sofrer, para não criar expectativas que as pessoas ao seu redor nunca vão conseguir corresponder. Mas, as flores? As flores compreendiam a doce e complicada Victoria, as flores a enchiam de ânimo para vida e lhe traziam luz e paz mesmo quando tudo estava dificil. Victoria não se entregava ao amor, e quando finalmente estava conseguindo após conhecer melhor o tão familiar Grant, ela mesma desiste. Pelo que entendi do comportamento de Victoria, ela não se achava digna de ser amada, e por isso o deixou. Logo após isso ela descobre estar grávida e com muito esforço começa um pequeno negócio de flores e a cuidar de sua filha. Duas coisas que ela abre mão, novamente não se sentindo boa o bastante. Graças a Deus pessoas de bom coração cruzam o caminho dela, e lhe mostram que "Qualquer pessoa pode se transformar em algo belo" E Victoria enfim coloca sua vida nos eixos.
O livro tem uma narrativa diferente que intriga. Os capitulos oscilam entre o que o passado e o presente de Victoria o que te faz entender exatamente os motivos das ações inesperadas da mesma. Uma leitura extremamente recomendável , lhe dou a nota oito.

Parte  marcante:
Quando Victoria finalmente resolve mudar.

Trecho marcante:
"Talvez os indiferentes, os rejeitados, os mal-amados pudeseem aprender a dar amor com tanta abundância quanto qualquer outra pessoa" (Página 282)


3 comentários:

  1. Amei a tua resenha!
    Tenho uma grande vontade de ler esse livro pois o título me chamou muito a atenção.
    Depois desse resenha então!
    Beijos!

    http://luahmelo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Djeninha!
    A tua resenha ficou muito boa,masa confesso que este livros não me chama muito a atenção.
    Bjos Fabi
    http://roubando-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Parece ser um livro realmente interessante.
    Achei a capa um pouco simples, gosto de capas marcantes!
    Adorei a sua resenha, está perfeita!

    Beijinhos

    ResponderExcluir