Crítica do filme "Dezesseis Luas"

Imagem


Heeeeeeeeeeeeeeeey amiguinhos, tudo bem com vocês? Cada dia que passa fico mais apaixonada por esse lay lindo que a Gabi fez pra mim. hehe. Bom na postagem de agora eu irei comentar um pouquinho sobre o filme Dezesseis Luas com vocês ok?

Tive a chance de conferi-lo segunda feira e depois de ter ficado dois dias pensando em um jeito educado de dizer o que eu penso sobre ele. Aqui estou. (risos)

Dezesseis Luas (Beautiful Creautures) foi adaptado do livro de mesmo nome que foi escrito por Kami Garcia e Margaret Stohl. O filme conta a história de Ethan Waite (Alden Ehrenreich) um jovem normal que vê sua vida mudar após conhecer a misteriosa Lena Duchannes (Alice Englert). Lena é uma conjuradora - vulgo Bruxa - e quando completar 16 anos será convocada a servir o bem ou o mal, tudo depende da real natureza dela.

A trama toda é narrada pelo Ethan, que vai contando o que ele sente em cada momento - só no final que a narração muda. E é a Lena quem nos conta. - nem preciso mencionar que a razão pelo Ethan se apaixonar por Lena não é muito clara - pelo menos não no filme. E como eu ainda não li o livro não tem como eu comentar - ele apenas menciona que esteve sonhando com uma moça que nunca viu na vida. De repente ele conhece a Lena - aluna nova no colégio - e se dá conta de que ela era a moça com a qual ele havia sonhando a meses. E por ironia do destino Lena também havia sonhado com ele.

Muitos comparam Dezesseis Luas com Crepúsculo desde o começo eu pensei que tal comparação era apenas uma jogada de marketing para fazer com que os fãs da saga se sentissem na obrigação de assistir esse filme. Porém a comparação faz sentido. Os dois filmes contam com uma mocinha sem sal e sem graça e os dois reforçam como ser um mero mortal é chato (risos).

Dezesseis Luas é um filme que teve uma premissa boa. Uma história diferente - em alguns aspectos - e um figurino excelente, uma trilha sonora envolvente - que chamou muito mais atenção do que os próprios atores que estavam em cena - porém o filme foi repleto de diálogos monótonos e sem sentimento. Além de não ter sido bem dirigido (cá entre nós.)

Eu estava xingando e maldizendo o diretor e roteirista do filme quando "tchanã" eu descubro que os dois são a mesma pessoa! (risos) só assim para explicar o motivo do filme ter sido tão ruim.

Eu não sei se os diálogos no livro são tão chatinhos assim, mas como diretor e roteirista ele tinha total liberdade de mudar alguns aspectos. Se ele mudou algum, então foi para pior. Por que misericórdia! Até as partes que deveriam ser mais "sombrias" e que tinham um efeito sonoro bom, ficaram parecendo cômicas com a atuação péssima do casal protagonista.

Espero que no segundo filme - se houver um - seja melhor. E que de preferência mudem agora mesmo o diretor please!

Creio que até a sem graça da Catherine Hardwicke -  ela dirigiu Crepúsculo e a Garota da capa vermelha - teria feito esse filme sair melhor.

Se vale o ingresso? Bem... Se você colocar no mudo e se focar apenas no figurino e cenário. Talvez. Porém eu achei o figurino bem "Capital" tipo... De jogos vorazes sabe? (risos) Na verdade o filme todo era uma mistura de CrepúsculoJogos Vorazes e Harry Potter (mais risos). Não estou criticando o livro - nem posso afinal ainda nem li - mas, sim o filme. Espero que consigam entender isso.

Como gostei da ideia da história irei comprar o livro e torcer para ele ser melhor. Claro que depois eu vou contar tudo aqui.

Eai já conferiram? Gostaram de Dezesseis Luas? Contem pra Dje :)

Título Original: Beautiful Creatures
Dirigido por: Richard LaGravenese
Minha nota: 2/5

Ps: Eu esqueci de mencionar mas, o filme é RECHEADO DE CLICHÊS. Sério. Eu adivinhei duas cenas sem ter lido a sinopse ou livro. Eu simplesmente falava "vai acontecer isso e isso" e acontecia. hahaha Será que sou uma conjuradora também? hehehe. Minha amiga que assistiu comigo morreu de rir.

Ps²: Eu gosto do Richard como roteirista ok? Ele foi o roteirista de "Água para elefantes" e fez um trabalho maravilhoso. O que será que aconteceu com ele agora hein?