26.5.14

RESENHA: "COMO DIZER ADEUS EM ROBÔ" DE NATALIE STANDIFORD

(...) um daqueles livros que você lê em um dia sabe?


EDITORA: Galera Record
QUANTAS ESTRELAS ELE MERECE? 
SINOPSE: Com um toque melancólico, o livro conta a singular ligação entre Bea e Jonah. Eles ajudam um ao outro. E magoam um ao outro. Se rejeitam e se aproximam. Não é romance, exatamente mas é definitivamente amor. E significa mais para eles do que qualquer um dos dois consegue compreender... Uma amizade que vem de conversas comprometidas com a verdade, segredos partilhados, jogadas ousadas e telefonemas furtivos para o mesmo programa noturno de rádio, fértil em teorias de conspiração. Para todos que algum dia entraram no maravilhoso, traiçoeiro, ardente e significativo mundo de uma amizade verdadeira, do amor visceral, Como dizer adeus em robô vai ressoar profunda e duradouramente.
ONDE COMPRAR: Livraria Cultura



Pensem em uma leitura melancólica, diferente e que te prende do início ao fim. Assim é "Como dizer adeus em robô".

A capa e o título foram os dois fatores que mais me chamaram a atenção, e por isso o comprei... Completamente sem pretensão alguma e sem nem ao menos ter lido sua sinopse.

A cada virada de página mais o gosto delicioso de uma leitura intrigante ia tomando conta de mim. O que mais chama atenção é que Natalie não possui um jeito comum de narrar suas histórias. Ela é única e diferente assim como sua personagem principal "Bea".

Por que não me importava? Talvez minha mãe estivesse certa, afinal de contas. Ela dera luz a um mutante. Meu coração era frio e duro.

"Bea" ou a "Garota Robô" como ela mesma se intitulava depois de sua mãe ter dito que ela era uma, já estava mais do que acostumada com sua rotina de viver se mudando de casa. Tudo por conta do trabalho de seu pai.

Tudo caminhava relativamente bem em sua vida (apesar de ter uma mãe emocionalmente instável) até ela conhecer Jonah "Garoto Fantasma". É ai que a história começa a ganhar rumo e cor.

- Por que está com tanto ciúme? - perguntei. - Não é como se você fosse meu namorado nem nada. Você é? 
- "Namorado" é uma palavra tão idiota - falou Jonah. - Não, não sou seu namorado. Achei que estávamos muito além disso. O que somos não pode ser descrito por palavras triviais como 'namorado' e 'namorada'. Até mesmo 'amigos' não chega nem perto de descrever.

O relacionamento peculiar que começa a existir entre os dois não possui definição. A momentos em que parece amor, já em outros apenas companheirismo... A escritora se dá ao trabalho de driblar nossa mente para nunca conseguirmos rotular o que eles são. Acho muito bacana as diversas formas de amor que podem existir em nosso coração e "Como dizer Adeus em robô" consegue ser um perfeito romance para quem não gosta de romance.

*OS LINKS CITADOS GERAM COMISSÃO AO BLOG EM CASO DE COMPRA

3 comentários:

  1. Ótimo texto de resenha. Meus parabéns! Amei a maneira que vc usou para se expressar, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura...a capa do livro é linda ela traz o universo como tema.
    http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=78725243

    ResponderExcluir