CRÍTICA DE FILME: MAZE RUNNER - PROVA DE FOGO

25.9.15

Uma semana após a estreia eu finalmente assisti Maze Runner - Prova de fogo. Mas, devo dizer que se eu soubesse como seria teria deixado pra ver em DVD em casa mesmo.

EU NÃO LI O LIVRO 
(essa crítica pode conter leves spoilers)

Maze Runner - Prova de fogo mostra Thomas e seus amigos tentando entender o que será do futuro deles agora que finalmente conseguiram escapar do labirinto. Enquanto Newt esta feliz por ter casa, comida e roupa lavada Thomas acha que nem tudo é o que parece e que tem coisa aí.

Com a ajuda de Aris ele começa a investigar melhor as intenções das pessoas que estão os 'ajudando' e descobrem várias informações importantes sobre o seu futuro.

Na tentativa de fugir das garras de "Cruel"  Thomas e seus amigos vão parar no deserto. O filme tem efeitos incríveis, mas em muitos momentos a posição da câmera e a fotografia no filme me fizeram sentir em: Divergente e Jogos Vorazes. No fundo sinto que essa era a intenção, sabe?

É muito comum estúdios de cinema optarem por trazer essa atmosfera de: Ei eu já vi isso! Para que os espectadores menos atenciosos gostem do filme sem nem ao menos entender o porque. Eles pegam elementos chaves de outras produções e introduzem no filme para que não haja surpresas, e quem gostou do outro goste desse também. (Foi isso que eles fizeram? Não posso afirmar. Mas, tive a impressão).



A mesma impressão que tive por exemplo assistindo Dezesseis Luas, onde dependendo do ângulo a personagem principal parecia a Bella Swan (Crepúsculo).

O roteiro foi desconexo com as cenas. E muitas vezes eu ficava perdida com o que estava acontecendo. Sei que uma das principais armas de Maze Runner (tanto no livro quando no filme) é justamente o elemento surpresa, você nunca saber o que vai acontecer, mas no filme isso foi muito mal introduzido fazendo parecer desleixo.

Apesar de toda a 'ação' o filme me deu sono em muitas partes haha. E meus amigos que são fãs também não gostaram do filme tendo em vista que (pelo que eu entendi depois de uma explicação minuciosa sobre os três livros que meu querido amigo Rodrigo fez - obrigada Rô!) esse segundo filme acabou sendo uma espécie de junção confusa do segundo e do terceiro livro.

O que sera de Maze Runner? Com uma publicidade excelente mas, deixando a desejar nas telas? Na estreia do filme na minha cidade não se via uma viva alma na fila (isso porque quando Cidades de Papel estreou a fila era imensa e vários horários estavam esgotados). Sera que Maze Runner decola?

Se vale a pena assistir? Talvez.
Se você colocar no mundo de repente o filme consiga convencer.

♥ 3/5 ♥

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário