CRÍTICA DO FILME: 007 CONTRA SPECTRE

18.11.15

É sempre muito complicado sentar e escrever sua opinião crítica sobre qualquer coisa que seja, mas quando o assunto é um filme de uma franquia tão grandiosa quanto 007 a responsabilidade se torna ainda maior.
Quero começar dizendo que não sou fã, expert e não assisti todos os filmes da franquia, porém sempre tive bastante simpatia pela mesma e comecei a acompanhar mais fielmente após o último filme com o Pierce Brosnan. Devo dizer também que fiquei extremamente irritada quando o trocaram pelo Daniel Craig. Não sei o motivo da troca, mas no final pouco me importa pra ser sincera. 

Daniel Craig só conseguiu me convencer como 007 no penúltimo filme (Skyfall). Em 007 Contra Spectre minha opinião continuou a mesma: FINALMENTE ELE É O 007.

Foi muito difícil conseguir estabelecer uma opinião para esse filme, tudo por que ele consegue te enganar muito bem. Como todos os filmes da franquia ele se manteve fiel a sua estrutura - todo aquele lance de ter uma cena introdutória, depois aquela sequencia do 007 andando e atirando com a sua musiquinha tema de fundo e logo após a música tema do filme, que nesse caso ficou a cargo de Sam Smith que apesar de ter feito uma boa música JAMAIS conseguiria o mesmo feito de Adele com Skyfall que ganhou até um Oscar - também seguiu o padrão de ter belas cenas de ação, lutas muito bem coreografadas, efeitos convincentes, lindas Bond Girls, cenários impecáveis e fotografia digna.

Porém o que deixou a desejar - e apesar das opiniões adversas de críticos e fãs pelo mundo - foi o roteiro. O modo como toda a trama se desenrolou foi superficial e raso. Sem boa amarração para os fatos que se seguiam na tela. O típico filme para você ver no mudo.

A trama se foca na busca de 007 sobre o que seria Spectre? Que organização é essa? O que ela faz? E daí começamos a descobrir junto com Bond.



O que todo mundo ficou surpreso juntamente comigo foi o fato da Bond Girl mais importante da trama, que ficou a cargo de Léa Seydoux - conhecida por seu filme "Azul é a cor mais quente" - ter tido um romance tão arrebatador, rápido e repentino com Bond. Em pouco tempo juntos os dois já berravam eu te amo por aí - e todos nós sabemos que a principal característica de Bond é justamente o lado 'pega mas, não se apega' - o que também me chamou atenção foi o roteiro dando a entender que ele deixaria de ser espião para ficar com ela. E eu What?

A história dos dois ficou muito jogada ao vento como também os motivos do vilão que dessa vez ficou a cargo de Christoph Waltz (Franz Oberhauser) que tinha tudo para ter sido um vilão quase tão incrível quanto Silva (Skyfall) mas, acabou sendo mais um elemento mal explorado da trama.

Vale como entretenimento, mas tenho certeza que se você for fã vai ser do cinema um pouquinho nervoso. Não foi o melhor da era Craig. E deveria ter sido. Já que esse foi o último.

Quem vocês gostariam que fosse o próximo 007? Algumas pessoas apostam no Henry Cavill. Digamos que eu não ficaria triste se fosse ele e vocês?

3/5

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário