21.5.16

CRÍTICA DO FILME: X-MEN - APOCALIPSE


*LIVRE DE SPOILERS*

Sempre gostei de X-men desde criança adorava imitar a voz do narrador dizendo o nome dos personagens toda vez que o desenho começava no Bom dia & Cia. Também sempre acompanhei os filmes mesmo com a minha mãe me proibindo - quando eu era criança ela tinha medo de me deixar assistir tudo por que até hoje minha mãe ainda tem medo de assistir X-men.

Toda vez que um novo filme da franquia esta para sair faço parte do time das pessoas que ficam ansiosas e fazem contagem regressiva. Fui lotada de expectativas para esse filme e grande parte delas foram alcançadas.

Nas primeiras aparições de Jean Grey (Sophie Turner) torci o nariz e não gostei nenhum pouco da escolha da atriz, mas foi só o filme ir ganhando forma e os poderes fortíssimos de Jean serem jogados na tela que eu vi o quão excelente a atriz foi para o papel.


Como praticamente em todos os filmes da franquia tivemos o clássico impasse de: será que os mutantes devem se misturar com humanos? os mutantes devem proteger os humanos ou se esconder deles? Somo todos iguais ou somos superiores? 

A história gira em torno de Apocalipse o mutante que é considerado o primeiro entre todos os mutantes - o mais antigo - e entitulado por ele mesmo "Deus". É despertado novamente e decide procurar os mutantes mais poderosos do mundo para formar uma aliança e com isso dominar o mundo e mostrar para os humanos qual é seu lugar na sociedade.

A trama se desenrola com Mística, Mercúrio, Noturno, Jean Grey, Fera e Scott integrando o time de professor Xavier contra esse novo vilão.

Uma das coisas mais legais do filme é que tivemos a chance de conhecer ainda mais as origens dos nossos mutantes favoritos - e até entender como o professor Xavier perdeu suas longas madeixas.


Concordo com o time de críticos que disseram que o personagem "Apocalipse" acabou se perdendo no decorrer da trama e também concordo que alguns personagens acabaram não sendo tão bem desenvolvidos, porém X-men Apocalipse é um show a parte no quesito lutas - sejam elas mentais ou reais. Vi muita gente criticando os efeitos do filme e dizendo que por serem tão artificias jogavam o espectador pra fora do filme, porém eu discordo. Já é uma característica dos filmes da franquia esse efeito meio "exagerado" o que não o torna ruim só te faz se sentir familiarizado.

Quem rouba a cena - mais uma vez, já que ele também fez isso no filme anterior - é Evan Peters com o seu irônico e cheio de banca "Mercúrio". Novamente repetiram a fórmula do filme anterior na primeira cena de destaque de Peters, mas isso também não foi ruim, era o que queríamos ver.

O filme é um presente para nós fãs de X-men e agrada com uma boa história - mesmo sendo tratada superficialmente - e ótimos atores que mesmo com um roteiro que teve algumas falhas, conseguiram se sobressair.

OBS: Já vale o ingresso só pelas cenas iniciais com o lindo do Michael Fassbender (Magneto) de camisa xadrex e como pai de família.

OBS 2: Nunca achei que a Jennifer Lawrence fosse uma boa mística. Ela só parece encarnar a personagem quando esta na forma azul, quando não ela é só a Jenn. E nesse filme ela cometeu o mesmo erro.

3/5

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário