Crítica do filme "Os Guardiões"

29.8.17

O diretor Sarik Andreasyan tentou inserir a Rússia no mercado cinematográfico dos super-heróis e o Acidamente Sensível foi convidado pela Paris Filmes pra ver como ele se saiu.

NÃO POSSUI SPOILERS

Durante a Guerra Fria na União Soviética, a organização chamada "Patriota" realizou diversas experiências genéticas em humanos para usá-los em seu favor. Anos depois, um dos criadores desses meta-humanos, Avgust Kuratov (Stanislav Shkilnyi), se torna um vilão e a única forma de vencê-lo é com a missão intitulada "guardiões", que consiste na convocação de quatro meta-humanos: Arsus (Anton Pampushnyy), Khan (Sanzhar Madiyev), Ler (Sebastian Sisak) e Kseniya (Alina Lanina).

O enredo não é nada inovador, mas chama atenção do público já que a Rússia nunca tinha abordado nada do gênero. No entanto, Andreasyan comete erros como uso de diálogos vazios e "batidos", intensa objetificação feminina na caracterização e com uso do "close butt".

O filme em sua versão legendada para o português tem o longa dublado em inglês. Essa escolha foi feita pelo aspecto comercial, mas acabou com a identidade que foi proposta pelo projeto. Os efeitos tem momentos bons e ruins, mas é algo compreensível. A trilha sonora é cativante, mas teve alguns problemas de timing com o decorrer da história.


Apesar do grande potencial dos personagens, eles foram mal explorados. O público não consegue ter conexão com nenhum deles e nem entender suas histórias. A motivação do vilão foi tão fraca que em muitos momentos do filme ela é esquecida. Isso comprometeu todas as atuações e fez com que parecessem amadoras.

Para um longa sobre super-heróis, ele possui pequena duração. Em uma hora e meia tentaram construir ligação entre o público e os personagens mas, com cenas apressadas, isso não foi possível. Essa falha se aplicou tanto aos diálogos, quanto as cenas de ação. O longa teria um desempenho muito melhor se suas cenas originais fossem mais longas e densas.

Com elementos de "Vingadores", "Esquadrão Suicida" e "Quarteto Fantástico", a Rússia dá seu primeiro passo no mundo dos super-heróis. Eles cometerão muitos erros até chegarem aos pés das franquias americanas, mas nada é impossível. Depois da Corrida Espacial podemos viver a Corrida Cinematográfica. Em suas marcas: 1, 2, 3, clacket!

O longa estreia dia 31 de agosto de 2017.

2,5/5

Observação: Possui uma cena pós-crédito.

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário