23.2.18

"FOI MUITO EMPODERADOR" JENNIFER LAWRENCE SOBRE ATUAR EM "OPERAÇÃO RED SPARROW"



Em coletiva realizada de maneira virtual para alguns jornalistas convidados na última quinta 22, Jennifer Lawrence comentou sobre seu mais novo filme "Operação Red Sparrow".

A primeira pergunta na coletiva da mais nova parceria entre Jennifer Lawrence e o diretor Francis Lawrence – que trabalharam juntos na franquia ‘Jogos Vorazes’ – foi sobre o timing em que o filme chega aos cinemas. Jennifer disse que foi empoderador fazer um projeto como ‘Operação Red Sparrow’ enquanto Francis citou um pouco sobre o processo:

Nós começamos o projeto três anos atrás então foi uma coincidência o filme sair numa época em que há uma certa explosão em pessoas contando suas histórias, mas o que isso te mostra é que as coisas que as pessoas estão contando agora são histórias que aconteceram há muito tempo atrás – o que fez nos interessar pela história, o que é um tema importante para nós, coisas que vem acontecendo há muito tempo, é uma conversa necessária.

Para Jennifer, o tema da violência que é inerente ao filme não foi deixado de lado, onde houve perguntas à cerca das cenas de tortura em que Dominika, sua personagem, vivencia. Em tom de brincadeira, a atriz foi questionada se o diretor a “torturou” no processo das filmagens. A atriz responde que não em meio a risadas

As cenas de tortura foram as mais divertidas de se fazer. Acho que teriam sido melhores se eu fosse mais profissional [em cenas do gênero], mas em qualquer trabalho que eu faça, é sempre trabalho, entretanto se eu não estou feliz e me divertindo eu não vou querer fazer. Atuar, pra mim, é uma forma de liberar emoções, é um sentimento de catarse, então quando eles gritam ‘corta’ eu quero ser capaz de rir, de me divertir e quando gritam ‘ação’ ainda é diversão mas de outra maneira, é adrenalina.

A atriz acrescentou mais detalhes sobre o processo de gravar tais cenas:

Francis sempre estava presente, nós nos comunicávamos claramente, ele era bem seguro e claro do que ia acontecer, do que estava envolvido [na cena] e sempre foi cuidadoso pra filmar o mais rápido possível. Ficar com os braços presos daquela maneira não é legal, mas nos fizemos tudo bem rápido e eu sabia o que esperar, não houve surpresas. O bom de trabalhar com alguém como Francis é que ele é bem organizado, tem foco, e ele tem um ponto de vista bem claro – o que é algo que eu admiro em sua cinematografia quando vejo seus outros filmes. E é ótimo trabalhar com alguém como ele num set [de gravações], não há surpresas.



Jennifer comentou também sobre sua escolha de personagens, dizendo que há sempre algumas circunstâncias envolvidas, mas que ela gosta de se desafiar, como também trabalhar com diretores que ela admira e confia.

Também tenho que gostar do script – obviamente – e ser uma personagem que me intrigue. Eu muitas vezes escolho filmes por razões diferentes, e que me afetam, pessoalmente, de razões diferentes. Às vezes você pode ter uma conexão química com o personagem” a atriz acrescentou. “Às vezes eu tenho que passar seis meses sendo essa pessoa, então me questiono se eu me conecto á ela, se eu a compreendo. Gosto de me desafiar.

Operação Red Sparrow’ é baseado em um livro pertencente a uma trilogia de mesmo nome, o que consequentemente resultou na indagação se há a intenção de continuar a história cinematograficamente. “Ainda não há planos...” comentou o diretor

Há certamente mais do que contar sobre Dominika, há mais dois outros livros. Eu já tenho algumas ideias de como podemos desenvolver a história – mas estamos esperando, essa não é uma franquia que queremos saturar, o que significa que não temos um futuro certo. Mas se as pessoas abraçarem o filme e forem assistir – e se sentirmos que [uma continuação] é algo certo a se fazer – nós adoraríamos.

Jennifer contracena com Joel Edgerton no filme, que interpreta Nathaniel Nash, o interesse romântico de Dominika na trama. A atriz falou sobre a química entre os dois 

Ninguém poderia ser mais perfeito para esse papel do que ele. Trabalhar com ele foi divertido, ele é muito engraçado. Nós somos bem semelhantes, não gostamos de ficar muito sérios quando estamos no set – o que é ótimo para nós, mas provavelmente ruim pra Francis” brincou a atriz. “Ele foi fenomenal, ele trouxe mais para o personagem do que estava no papel.

Para encerrar a coletiva, ambos também foram questionados se há alguma pressão envolvida em fazer um filme de um tema ainda não discutido no cinema, em um mercado tão amplo com diversas franquias.

Nós estamos no momento que vamos começar a sentir essa pressão.” Comentou o diretor. “É ótimo fazer algo original, que não é um reboot ou algo do tipo. É bom fazer algo novo. É ótimo também trabalhar com um estúdio que abraça o tom do filme e não tenta fazer dele um filme para família, que nos permite fazer algo adulto. Acho tudo isso ótimo, e agora estamos no momento em que vamos saber se as pessoa vão acolher um filme deste tipo ou não. Essa é a parte assustadora. Não é um filme de super-herói.

O longa tem estreia prevista para o dia 1 de março.

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário