Pesquisar este blog

Slide



"Midsommar – O mal não não espera a noite" é o Thriller mais perturbador do ano


Depois de surpreender a todos com Hereditário, Ari Aster volta aos cinemas com um filme visualmente lindo e emocionalmente pesado. Midsommar conta a história de Dani (Florence Pugh) que depois de vivenciar uma enorme tragédia pessoal vai para um pequeno vilarejo na Suécia participar de uma festividade Local de verão, com o namorado Christian (Jack Reynor) e um grupo de amigos. Inicialmente o local aparenta ser um completo paraíso na terra, mas conforme passa o tempo ali Dani vai percebendo que toda a beleza do lugar esconde um lado terrivelmente sombrio.

Se você for do tipo que espera que ele seja um terror repleto de Jump Scare esqueça, assim como a nova onda de filmes de terror retomada por filmes como (Cisne Negro; Corra e Nós) o tom de terror do filme é puramente psicológico. O desenvolvimento do filme é lento, porém a atmosfera de suspense que paira no ar durante todas as 2h27 minutos do filme faz com que você não consiga tirar os olhos da tela. O terror do filme fica por conta da agonia que sentimos junto com a protagonista.

Filmado em plano médio (recurso que particularmente me lembrou um pouco The Handmaid’s Tale) a câmera faz com que o púbico se sinta um pouco como um “stalker com empatia” de Dani, tudo na montagem do filme cria uma experiência sensorial de modo passamos a sentir na pele cada sensação dela.


O grande diferencial de Midsommar seja sua “luminosidade”, diferente da maioria dos filmes de terror ele se passa todo durante o dia, toda claridade que o diretor de fotografia Pawel Pogorzelki é completamente proposital já que ele se passa durante o solstício de verão. Como o próprio nome do filme diz : “o mal não espera a noite”.

A trilha sonora é chave fundamental em todo desconforto que nos faz sentir, graças a uma mistura com elementos de sonoplastia como: passos, gritos e respiração.

Midsommar definitivamente não é um filme para todos os públicos, ele é um thriller pertubador e brutal não só pela carga emocional pesada que a trama retrata, mas também pela violência explicita que ele contém.

Nota: 4/5 
Distribuição: Paris Filmes 
Estreia: 19/09

No facebook

>> Acompanhe também

No Youtube

>> Vídeo novo toda semana

Vídeo

Vídeo

Vídeo

No Spotify

>> Ouça as nossas playlists no spotify