17.7.17

REVIEW: GAME OF THRONES - 7X01 DRAGONSTONE


Depois de uma espera de mais de um ano, os fãs de Game of Thrones puderam ver seus personagens favoritos em busca do Trono de Ferro. Confira aqui as impressões sobre o primeiro episódio da sétima temporada.

POSSUI SPOILERS DO EPISÓDIO

Na sexta temporada, Arya Stark vingou sua família ao matar o Lorde Walder Frey e seus filhos. Apesar da audiência saber, seu exército não sabia. Foi então que a menina se aproveitou disso e utilizou sua habilidade de disfarce para se passar pelo Lorde durante um banquete, e então envenenou a todos com vinho e declarou "Leave one wolf alive and the sheeps are never safe" (Deixe um lobo vivo e as ovelhas nunca estarão a salvo).

Enquanto há a guerra pelo Trono de Ferro, os White Walkers se aproximam cada vez mais rápido. Consciente disso, Bran vai até a Muralha para o encontro da Patrulha da Noite. Sandor Clegane e Dondarrion possuem a mesma preocupação pois o Senhor da Luz mostra nas chamas uma visão: o local onde a Muralha encontra o mar possui um castelo. Lá existe uma montanha que parece a ponta de uma flecha e milhares de mortos passam por ela.

Jon precisa tomar providências agora que foi nomeado Rei do Norte. Isso inclui achar formas de encontrar vidro de dragão, pedir auxílio de selvagens na proteção de castelos e treinar jovens para o combate, sejam homens ou mulheres. Neste momento Lyanna Mormont brilhou mais uma vez ao ressaltar a importância da participação feminina nessa guerra, que precisa de tudo e de todos para ser vencida, incluindo a sua própria. 

Apesar da alegria de termos dois Starks em Winterfell, também temos divergências de comando. Enquanto Jon Snow quis dar seu perdão aos Karstarks e para os Umbers, Sansa exige punição a eles já que foram famílias que traíram seu suserano. Por fim, a decisão do Rei prevaleceu e as famílias juraram lealdade novamente aos Starks. Os "irmãos" precisam se entender, principalmente agora que Cersei Lannister exige que jurem lealdade ou serão considerados traidores.

Cersei e Jaime são praticamente os últimos Lannisters, agora que Tyrion abandonou a família e apóia Daenerys. Eles estão em uma situação em que precisam de alianças e por isso a rainha faz contato com Euron Greyjoy, Rei das Ilhas de Ferro. O Nascido do Ferro demonstra interesse em uma parceria, desde que haja um casamento, porém Cersei declara sua desconfiança e recusa. Euron não desiste e promete trazer a ela uma prova de que ele merece sua confiança.


Sam permanece na Cidadela para aprender uma forma de ajudar na grande guerra que está por vir. Para isso ele precisa do acesso a um espaço da biblioteca reservado apenas aos meistres. Entretanto, suas histórias são desacreditadas pela maioria, o que o força a ser mais evasivo e roubar a chave de acesso para tal área. Com os livros ele descobre que no solo da Pedra do Dragão há o que eles precisam para matar os White Walkers. Também na Cidadela está Jorah Mormont que tenta achar uma cura para Greyscale (Escagramis).

Em Winterfell também estão Pod, Brienne e Tormundo. O flerte entre a cavaleira e o selvagem é um presente para o público, ainda se mantém muito contido, mas arranca sorrisos e traz uma certa leveza. Ao contrário, temos Lorde Baelish que não desiste de conquistar Sansa, seja por interesses políticos ou sentimentais.

Arya tem muitos em sua lista de vingança e, por mais que o público anseie em ver seu reencontro com Jon, precisa continuar em direção ao sul de Westeros. Em seu caminho ela encontra um grupo de soldados Lannisters que lhe oferecem comida e bebida. Um desses é interpretado pelo cantor Ed Sheeran, que também faz uso de seus talentos musicais no papel. Quando questionada sobre a razão de seu destino ela diz que matará a rainha e todos riem pois parece algo impossível. Será?

Depois de seis temporadas Daenerys Targaryen finalmente chega a Dragonstone. É um local de extrema importância, já que é local de nascimento da Mãe dos Dragões. Ela possui como Mão do Rei Tyrion Lannister, apoio de Varys, as casas Martell e Tyrell estão ao seu lado para vingar-se de Cersei, parte dos Greyjoy lhe deram seus melhores navios e seu exército de Imaculados. Não haveria melhor final do que vê-la diante da "Mesa Pintada" de Aegon I, o Conquistador ao dar o início da sétima temporada com a frase "Shall we begin?".

Por conta de ser o primeiro episódio da temporada ele é fragmentado. David Benioff e D.B. Weiss, showrunners da série, quiseram situar de uma forma detalhada a situação de cada um de seus arcos. Isso é muito bom pois pôde dar ênfase a preocupação de cada um, principalmente porque agora tem-se duas guerras (uma pelo Trono de Ferro e outra contra os White Walkers). No entanto, para o decorrer da história isso pode incomodar já que o episódio não pode ser relacionado como um todo. 

Claramente vemos um ritmo mais acelerado, principalmente pela redução de número de episódios em relação as outras temporadas. Isso tende a deixar os episódios mais emocionantes, mas também oferece o risco de perder o jeito. A roda continuará girando, seja com Lannisters, Starks, Targaryens ou Greyjoys... o que importa é que todo episódio consiga quebrar essa roda e o coração de seu público. 

4/5

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário